Nunca tinha ido pra América. Gostei muito. O que mais me impressionou lá foi uma coisa que eu já sabia, mas que ver ao vivo e a cores foi marcante. É algo que pode-se chamar de “ferramentaria”. A única coisa que não existe nos EUA é aquela que ainda não foi inventado, porque depois que inventarem, seja lá o que for, eles vão achar o jeito de produzir. E por "produzir" entenda-se criar as ferramentas necessárias e achar também um modo de viabilizá-la comercialmente. Uma coisa está sempre ligada à outra.

Sabe efeito especial como é que funciona, né? O diretor precisa que numa cena a porta do carro caia. Não existia nada que fizesse isso antes, mas aí alguém inventa uma traquitana, que faz com que a porta caia na hora certa. Os EUA são isso. Num parque, precisava fazer com que um caminhão pegasse fogo e caísse uma enxurrada de água em cima dele, tudo sob controle. Alguém inventou um jeito de fazer isso, que não existia antes. Precisava criar um sistema pra fabricar carros em série, aí alguém inventa a linha de montagem. Precisava ir até a lua, alguém inventa um projeto inteiro que faça isso. Precisava garantir a comunicação em caso de guerra, alguém inventa a internet. A rigor, os EUA são um país de efeitos especiais, de toda sorte. E no mesmo momento que algum técnico cria a traquina, alguém cria um jeito de ganhar dinheiro com isso. E assim, com essa ferramentaria criativa e ilimitada, junto com uma habilidade comercial desavergonhada, eles fazem a roda deles girar.

Agora, é incrível como é que eles conseguiram fazer tanta coisa na vida, mas não fazem a menor idéia de como se come... O rango lá é MUITO ruim. Não tem pra onde correr. A gente chega a ficar com saudades de comer McDonnalds, mas o daqui, que é melhor! Taco Bells e Fish and ships foi o melhor que comemos por lá, pra se ver como a coisa é grave. Mas tirando a comida e o café, do resto eu gostei de tudo.

Orlando em si não é uma cidade muito fotogênica. Eu praticamente não fotografei a cidade. Aliás, essa foi a viagem que fotografei menos. Lá não é pra ver, é pra vivenciar. O que valeu mesmo foram as experiências e sensações incríveis que a gente teve nos parques (e claro, nas compras também...). Foi uma grande viagem!




Não fomos nesse lugar, mas achei bem divertido o visual dessa casa invertida.






Isso foi o que chamamos de "lá em casa", por 12 dias.









Nosso carro. Até porque sem carro não tem o que fazer em Orlando.